Notícias


Publicado em:
20
4/2018

Projeto em Barra Mansa incentiva produção de orgânicos e contribui para sustentabilidade

Agrofloresta visa à produção sustentável no campo e à diversificação de cultivo. Produtores rurais que adotarem o modelo poderão receber certificação.



Metatags:

O município de Barra Mansa, no Rio de Janeiro, está iniciando um projeto que pretende diminuir os custos dos produtores rurais. Trata-se da Agrofloresta, uma forma cultivo que combina espécies de árvores frutíferas com cultivos agrícolas.

O secretário municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Carlos Roberto de Carvalho, explica que o projeto visa à produção sustentável no campo e à diversificação de cultivo. “A finalidade é produzir frutas saudáveis e água. Com esse viés, os produtores rurais que adotarem o modelo poderão receber certificação de produção de alimentos orgânicos”.
A ideia, segundo ele, é desenvolver algumas unidades demonstrativas para estimular a Agrofloresta. Para isso, a secretaria tem visitado algumas propriedades agrícolas na localidade do distrito Floriano, que concentra alguns fatores essenciais para implantação do projeto como logística e acompanhamento por parte de técnicos municipais.

“Esse é o primeiro passo para que o projeto se consolide e consigamos incentivar os agricultores a participar. Estamos mapeando os locais que poderão receber a Agrofloresta e depois iremos capacitar os produtores e fazer o levantamento de custo, para que tudo esteja pronto até a temporada de chuvas que favorece o plantio”.

O secretário também destaca que o conceito de Agrofloresta tem sido desenvolvido como uma ciência que se compromete a ajudar agricultores a incrementar produtividade, rentabilidade e sustentabilidade em suas terras.

“A ideia é mesclar a produção de maneira que se consiga ter um meio de produção concomitantemente com a preservação da floresta, gerando assim um plantio sustentável, não degradando para produzir e utilizando os benefícios que a natureza já oferece em prol da produção”.

De acordo com ele, o sistema de produção imita o que a natureza faz normalmente, com o solo sempre coberto pela vegetação, muitos tipos de plantas juntas, umas ajudando as outras, sem problemas com “pragas”, o que dispensa o uso de venenos.

“A Agrofloresta é feita através de uma produção diversificada que não fica à mercê das intempéries da natureza como chuva forte, exposição ao sol e granizo. Com isso há uma diminuição do uso de defensivos agrícolas e adubo, uma vez que a ciclagem de nutrientes, ou seja, as folhas que caem e viram adubo, é frequente e no ambiente equilibrado a praga não ataca a produção”, concluiu.

Fonte: Jornal A Voz da Cidade


Últimas notícias

Rodadas de Negócios promovidas pela Francal Feiras geram mais de R$ 30 milhões em 2018

Somente nas feiras BIO BRAZIL FAIR | BIOFACH America Latina e NATURALTECH, as 399 reuniões pré-agendadas somaram quase R$ 16 milhões em negócios imediatos e prospectados para os 12 meses seguintes.
Leia Mais

Em 2019, Francal Feiras intensifica universo digital em seus eventos

Promotora mantém posicionamento de ir além dos negócios e oferecer muito mais do que conexão e negócios entre expositores e visitantes.
Leia Mais

Francal Feiras lança campanha para engajar expositores em ações de sustentabilidade

Selo Viva Verde convida empresas a gerarem o mínimo possível de resíduos durante as feiras.
Leia Mais