Notícias


Publicado em:
6
11/2018

Embrapa desenvolve fertilizante orgânico nitrogenado

Com base em hortaliças, N-verde gera menos perdas que torta de mamona utilizada atualmente.



Metatags: Fertilizante orgânico, Nitrogenado, Mamona, Embrapa, N-verde

A Embrapa Agrobiologia, unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária sediada no Rio de Janeiro, desenvolveu um fertilizante orgânico a partir da biomassa aérea de espécies leguminosas, o N-verde. O processo aproveita a parte da planta que fica fora da terra.

Na primeira fase da pesquisa, iniciada em 2008, foram selecionadas as matérias-primas que poderiam ser usadas e que tivessem volume de nitrogênio próximo de 4%. O projeto foi retomado no ano passado, para desenvolvimento do trabalho de obtenção da biomassa e de seu processamento até chegar ao produto final, que é o fertilizante peletizado ou granulado.

Em entrevista à Agência Brasil, o engenheiro agrônomo Ednaldo Araújo, líder do projeto na Embrapa Agrobiologia, disse que um dos objetivos é aumentar a oferta desse tipo de fertilizante, que está de acordo com a legislação de agricultura orgânica, que veta o uso de fonte sintética.

Atualmente, utiliza-se a como fertilizante a torta de mamona, que é feita com o óleo extraído dessa planta, mas ainda não existe uma linha de produção dessa torta. “Para a expansão da agricultura orgânica, é preciso ter mais fontes que, somadas à torta de mamona, permitam a oferta de um fertilizante nitrogenado a preço acessível”, disse.

Daí surgiu a ideia de potencializar um processo natural, que é a fixação biológica de nitrogênio, de modo a colocar no mercado um produto rico nesse elemento, com alta disponibilidade, fácil de ser usado por plantadeiras e adubadeiras e com concentração alta o suficiente para compensar o custo com transporte.

Já foram feitos os testes de campo para verificação da eficiência do fertilizante. O projeto terá continuidade até o fim de 2019, quando será iniciada a fase de interação com possíveis empresários interessados na produção do novo fertilizante.

Segundo Araújo, o N-verde é um fertilizante em que o nitrogênio é obtido em um processo natural de fixação biológica.

Por ser peletizado, reduz a biomassa e aumenta sua densidade, além de conseguir padronizar a matéria-prima. “Isso dá garantia de eficiência ao produto. Um produto que é padronizado, com eficiência comprovada e com o nitrogênio vindo de uma fonte renovável”, enfatizou.

O pesquisador disse que o fertilizante orgânico não vem para substituir nenhum produto, e sim para somar ao que já existe. Ele destacou a falta de uma fonte nitrogenada para sistemas orgânicos e agroecológicos atualmente no País. A expectativa é que a relação custo-benefício para os agricultores orgânicos seja menor.

No caso da torta de mamona, a oferta depende do resíduo que é gerado e acumulado nas empresas que extraem o óleo da planta. Quanto ao N-verde, o pesquisador disse acreditar que a oferta vai acompanhar a demanda. O objetivo do projeto é buscar um produto mais barato ou similar à torta de mamona e incentivar a expansão da agricultura orgânica.

Apesar da maior quantidade de nitrogênio (5%), a torta de mamona acaba tendo grandes perdas quando é aplicada no campo – até 50%. O N-verde, porém, é mais eficiente, com perdas de, no máximo, 15%. “Vai ter um efeito residual maior”, explicou o pesquisador. Isso significa que o fertilizante orgânico pode ser aproveitado em culturas sucessivas.

O estudo é desenvolvido inicialmente nas espécies de leguminosas perenes, mas pode também usar espécies anuais. “O foco é nas espécies perenes porque, uma vez que se consegue montar a infraestrutura de coleta de biomassa, não são necessários novos plantios. Nesse caso, entre todas as espécies, a que mais se adaptou a essa forma de manejo foi a Gliricidia sepium”.

A coleta deverá ser mecanizada, de acordo com o plano de manejo que está sendo fechado pelos pesquisadores da Embrapa Agrobiologia. Mais adiante, outras espécies de leguminosas poderão entrar também na linha de produção.

O N-verde pode ser usado em todo tipo de lavoura, mas o projeto tem foco nas hortaliças folhosas. Há potencial grande para aplicação também em plantas ornamentais, porque não fermentam nem produzem odor desagradável.

O N-verde se adapta bem na agricultura urbana, no paisagismo e em hortaliças, porque tem maior valor agregado. De fácil aplicação e rico em nitrogênio, o novo fertilizante tem os nutrientes essenciais para as plantas, como fósforo, potássio, cálcio, magnésio e enxofre, além de micronutrientes, entre os quais o boro, ferro, manganês, molibdênio e zinco.

Estudos mostraram que, com um hectare de gliricídia, é possível produzir até seis toneladas de N-verde por ano. Essa quantidade pode variar de acordo com o espaçamento em que for feito o plantio.

Fonte: Primeira Página, com matéria da Agência Brasil – Foto: Jonas Oliveira/ANPr


Últimas notícias

PMEs brasileiras estão de olho na indústria 4.0

Pesquisa aponta que 38% das pequenas e médias empresas enxergam nas tecnologias o caminho para melhores produtos e serviços.
Leia Mais

Aumenta a previsão de crescimento da economia em 2019

Dados estão no Boletim Focus, divulgado pelo Banco Central.
Leia Mais

Produtor de Curitiba investe no cultivo de cebola orgânica

Agricultor de Quatro Barras afirma que o preço é equivalente ao de outras culturas e que recebe 30% a mais pelo fato de ser orgânica.
Leia Mais