Notícias


Publicado em:
5
12/2018

BNDES apresenta nova metodologia de credenciamento de máquinas e equipamentos

Linha Finame passa a valorizar investimentos em inovação e diversificação do parque industrial.



Metatags: Credenciamento, Máquinas, Inovação, Mão De Obra, Qualificação, Metodologia, BNDES, Indústria, Finame
Pixabay

No início de dezembro, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) substituiu os atuais critérios de índice de nacionalização em valor (INv) e peso (INp) por uma nova metodologia de credenciamento de máquinas, equipamentos, sistemas industriais e componentes, seguindo a linha BNDES Finame.

De acordo com o BNDES, o objetivo é incentivar os investimentos em capacidade produtiva e pesquisa, visando produtividade, competitividade e a inserção da indústria nacional em cadeias globais de produção e também no mercado internacional de bens de capital. Outro propósito é a geração de renda por meio de empregos qualificados.

O novo método segue critérios que avaliam a participação de componentes de alta intensidade tecnológica no total de componentes usados para a manufatura de determinado item a ser credenciado, ou seja, o seu conteúdo tecnológico. A inovação também entra na lista como um parâmetro de medição da relação entre os gastos com pesquisa e desenvolvimento ou inovação e faturamento.

Em relação à inserção externa, na avaliação será mensurada a participação das receitas de exportação no faturamento total. Outros dois quesitos são inclusos na metodologia: a evolução da relação entre o valor adicionado pelo fabricante sobre o total de funcionários, evidenciando a criação de valor pela empresa, e a participação de mão de obra técnica qualificada.

Para o Banco, esse novo processo permite que os critérios de habilitação dos produtos sejam ajustados, a fim de incentivar segmentos e tecnologias, sendo que os resultados da política são sistematicamente monitorados.

De acordo com as regras de transição do BNDES, caso o produto tenha sido credenciado antes da nova metodologia (até 2 de dezembro de 2018), deverá ser observada a nova regra do regulamento, cujos índices mínimos de nacionalização em INv e INp são estabelecidos. Caso o credenciamento do produto seja solicitado no novo programa, as regras incluem apenas a observação do patamar mínimo do Índice de Credenciamento (IC).

Produtos cadastrados com índice de nacionalização em valor entre 50% e 60% terão até 31 de maio de 2019 para se adequarem à nova metodologia. Após a data, os produtos não recredenciados serão automaticamente excluídos do cadastro do BNDES.

O BNDES ainda destaca que a nova metodologia é mais moderna, flexível e aderente à realidade industrial brasileira, pois leva em conta fatores importantes, tais como os investimentos em inovação, a diversificação do parque industrial, a forma de inserção nas cadeias globais de valor e qualificação da mão de obra. Estes pontos vão ao encontro dos objetivos estratégicos do Bando, que é fortalecer a estrutura produtiva brasileira, de estímulo à inovação e de expansão da produtividade das empresas.

Veja avaliação da Abicalçados sobre a nova metodologia.

Fonte: Primeira Página


Últimas notícias

PMEs brasileiras estão de olho na indústria 4.0

Pesquisa aponta que 38% das pequenas e médias empresas enxergam nas tecnologias o caminho para melhores produtos e serviços.
Leia Mais

Aumenta a previsão de crescimento da economia em 2019

Dados estão no Boletim Focus, divulgado pelo Banco Central.
Leia Mais

Produtor de Curitiba investe no cultivo de cebola orgânica

Agricultor de Quatro Barras afirma que o preço é equivalente ao de outras culturas e que recebe 30% a mais pelo fato de ser orgânica.
Leia Mais